quinta-feira, 3 de junho de 2010

Outro Deus e outra Espiritualidade

Ed René Kvitz

CHEGOU A MINHA VEZ DE DIZER QUE “Deus morreu, vocês mataram Deus”. Sei dos riscos. Dizem que gato escaldado tem medo de água fria. Mas alguns gatos não se dão por vencidos. Aliás, dizem também que gatos têm sete vidas. Que seja. Tudo bem, posso atenuar um pouco, respeitando as pessoas que me querem bem e temem por mim. Temem que eu me comprometa em lutas quixotescas. Temem as retaliações que possa sofrer. E, na verdade, temem que eu perca o juízo e a fé. Nesse caso, dou um passo atrás e digo
que um deus morreu em mim, e nasceu outro, que me seduziu com amor eterno. Por ele me apaixonei. O deus que morreu foi exaltado na subcultura da religiosidade evangélica brasileira. Era basicamente um deus que: 1) vivia de plantão para me poupar de qualquer tragédia, evitar meus sofrimentos e abreviar as situações que me trariam qualquer desconforto; 2) prometia satisfazer não apenas minhas necessidades, mas também meus desejos; 3) estava comprometido com favorecer-me em todas minhas demandas contra os pagãos; 4) compensava minhas irresponsabilidades e ignorâncias em troca de minha fé; 5) manipulava todas as circunstâncias de minha vida como um tapeceiro que corta fios e dá nós no emaranhado do avesso do tapete para revelar a bela paisagem no fim do processo, capaz de encantar todos aqueles que olham pelo lado certo. Enfim, morreu em mim aquele deus parecido com a figura idealizada de um superpai, que levou homens como Freud, Nietzsche e Sartre a desdenhar da religião.

Esse deus morreu em mim porque se demonstrou falso. Isto é, não existia de fato ou estava descrito de maneira equivocada, pois não precisamos ser muito sagazes para perceber que o justo sofre e convive com frustrações, que os maus prosperam, que Deus não faz o que compete aos seres humanos e que não se pode conceber que Deus tenha decidido na eternidade que a missionária Fulana de Tal seria estuprada numa esquina de São Paulo para cumprir um propósito, pois, neste caso, o estuprador estaria isento de responsabilidade. Não é razoável a crença em um deus que coloca os seus fiéis numa bolha protetora contra toda sorte de dificuldades e possibilidades de dores. A Bíblia Sagrada registra que todos os homens que foram íntimos de Deus e cumpriram tarefas designadas por ele sofreram, mais até do que muitos que lhe deram as costas. Isso levou Teresa de Ávila a afirmar: “Se o Senhor trata assim os seus amigos, não se admira que tenha tantos inimigos”. Tampouco faz sentido o relacionamento com Deus motivado pelo interesse em suas bênçãos e galardões, pois isso faz que Deus deixe de ser um fim em si mesmo e se torne um meio de prosperidade, isto é, passa a ser um ídolo a serviço dos fiéis. Igualmente incoerente é acreditar que a fé é suficiente para o êxito, pois ninguém passa no vestibular “pela fé”. Finalmente, não é sensato acreditar que Deus é a causa de tudo quanto acontece no mundo, pois, se assim fosse, Deus estaria por trás de todo ato de maldade, levando o malvado a agir, de modo que ninguém seria culpado por seus atos. Essa coisa de “Deus tem um plano para cada criatura” é incoerente em relação à fé cristã, pois seres criados à imagem e semelhança de Deus não podem ser privados da liberdade. Ou os seres humanos são responsáveis por seu destino, ou não podem ser julgados moralmente. Esse deus morreu.

Reações:

0 comentários: